Ao imaginar como fazer uma empresa crescer, muitos empreendedores não percebem como o marketing pode ser um investimento atrativo e eficiente. Ignorar seu papel pode ser um erro fatal para o desenvolvimento de um negócio.

Afinal, para aumentar os lucros, deve-se vender mais; para vender, a empresa tem que entender as necessidades do mercado e levar as soluções que o público-alvo precisa para resolver seus problemas. Em conclusão, essas duas ações resumem bem o que é o marketing.

Investir em suas estratégias é o porto de partida para você decolar com seu negócio de forma rápida e sólida. Por essa razão, selecionamos as 6 melhores práticas de marketing para fazer seu negócio colher mais resultados. Fique conosco!

1. Marketing nas redes sociais

Uma pesquisa recente da Rock Content mostrou que 92,1% das empresas brasileiras entrevistadas estavam presentes em alguma das redes sociais. Isso mostra que é quase uma obrigação ter perfis nas principais mídias sociais (Facebook e YouTube) e naquelas em que o seu nicho está mais presente.

Mas é preciso ir um pouco além. Fazer marketing nessas plataformas envolve compartilhar conteúdos interessantes com seus seguidores, adotar uma postura mais humanizada, trocar ideias com o público, trabalhar com influenciadores digitais, investir em anúncios, entre outras ações importantes.

Enfim, o mais legal das redes sociais é a possibilidade de ter um contato mais próximo e informal com consumidores e clientes. Além de tornar o relacionamento com esses públicos mais consistente, isso ajuda a entender suas preferências, seus interesses e seus problemas — o que pode ser bem útil para desenvolver técnicas de marketing e de vendas.

2. Criação de autoridade com conteúdos relevantes

As marcas líderes e mais respeitadas são aquelas que são vistas como autoridades ou referências em seus respectivos mercados. Essa credibilidade é, muitas vezes, conquistada pela história construída pela marca, pela ótima qualidade dos seus produtos e pela boa experiência entregue aos clientes.

No entanto, uma estratégia vem mudando a maneira como a reputação de uma empresa é vista: o marketing de conteúdo. A ideia desse conceito é produzir e divulgar conteúdos valiosos para um público-alvo determinado. A finalidade é atrair, engajar, relacionar-se e converter potenciais consumidores em clientes.

Mas como conteúdos interessantes podem conquistar tudo isso? Por meio da relevância para resolver problemas do público. São blog posts, vídeos, infográficos, podcasts ou e-books que educam, entretêm e informam as pessoas que por eles se interessam.

Naturalmente, isso leva as pessoas a verem as empresas que investem na produção de conteúdo valioso como autoridades naquilo que abordam. Essa confiança gera um relacionamento que se desenvolve até o momento em que o consumidor escolhe aquele negócio para atender sua demanda.

3. Links patrocinados

Dentre as estratégias indicadas neste texto, os links patrocinados representam a que pode trazer o crescimento mais rápido em suas vendas. Isso acontece porque basta ativar as campanhas de anúncios para o público começar a ser impactado e, consequentemente, converter suas ofertas.

Mas onde é que se pode anunciar na internet? Em motores de busca (Google e Bing), redes sociais, aplicativos, portais de notícias, blogs e sites em geral. Você pode utilizar alguma plataforma para gerenciar esses anúncios, como o Google AdWords, o Facebook Ads e o YouTube Ads, ou negociar diretamente com os administradores dos portais, sites e blogs.

Algumas das vantagens de investir em links patrocinados, além de ter resultados rápidos, são:

  • capacidade de segmentação: dependendo da plataforma, você pode direcionar suas ofertas para o público de acordo com sua localização, idioma, palavras-chave, gênero, idade, interesses pessoais, hábitos de compra e até com uma lista de e-mails já preparada;
  • possibilidade de fazer remarketing: caso sua empresa tenha uma loja virtual, você pode usar as campanhas de remarketing para chamar a atenção das pessoas que abandonaram o carrinho, mas que ainda podem voltar a comprar;
  • oportunidade de monitorar e de modificar suas campanhas em tempo real: os principais indicadores de desempenho, como conversões, taxa de cliques e custo por aquisição, podem ser mensurados a qualquer momento; bem como as configurações das campanhas, podendo alterar a segmentação, o conteúdo, os preços e até o valor investido.

4. Envio de newsletters

As newsletters cumprem uma função, dentro do marketing digital, que vai muito além de levar informação relevante ao público por e-mail: conduzir clientes em potencial até a fase de compra.

Com o marketing de conteúdo, por exemplo, as newsletters passaram a ter esse papel mais estratégico. Isso consiste em enviar conteúdos que eduquem os leads até eles amadurecerem o suficiente para comprar suas ofertas.

Pelas newsletters, você pode compartilhar conteúdos do blog da sua empresa ou enviar materiais ricos (e-books, infográficos, webinars etc.) que esclareçam o problema que o lead possui e como ele pode resolvê-lo (encaminhando-o para as soluções do seu negócio).

Além disso, essa ferramenta pode ser usada para manter um bom relacionamento com os atuais clientes da empresa. Por meio dela, você pode enviar alguns conteúdos que ajudam esse público a tirar mais proveito dos produtos comprados.

Se os envios forem bem segmentados, a estratégia tende a funcionar. Afinal, como a comunicação via e-mail é bem pessoal, o público tende a valorizar o que chega de relevante para ele na caixa de entrada, pois, geralmente, assina as listas que podem trazer coisas relevantes.

5. Marketing de pós-venda

Ter uma estratégia bem estruturada de pós-venda é importante para reter clientes, impulsionar as recompras, aumentar seu Lifetime Value e, com isso, projetar maiores investimentos em longo prazo.

Ao preparar ações voltadas para o pós-venda, é possível economizar em seu orçamento de marketing. Afinal, manter um cliente é mais barato do que trazer um novo; e os novos podem chegar por indicações dos atuais compradores.

Você pode produzir conteúdos voltados para os atuais clientes, criar programas de fidelidade, estimular indicações com descontos ou prêmios — enfim, fazer esse público se sentir mais especial e engajado com sua empresa.

Não se esqueça que um negócio tende a crescer à medida que mais clientes são fidelizados. Dessa forma, haverá sempre uma demanda ativa e consumindo suas ofertas.

6. Uso de sistemas de CRM

Essa sigla significa gestão ou gerenciamento de relacionamento com clientes. Essa filosofia foi objetificada em tecnologia com a criação dos sistemas de CRM. Essas plataformas são usadas para servir de suporte aos times de marketing e de vendas para aprimorar o relacionamento e as demais estratégias com os clientes.  

Entre suas funcionalidades, podemos destacar:

  • o banco de dados centralizado sobre as leads e clientes;
  • os lembretes para profissionais de marketing e vendedores entrarem em contato com os consumidores;
  • o acompanhamento da evolução dos leads no funil de vendas;
  • o armazenamento do histórico de interações e de compras dos clientes com seu negócio.

Toda essa visão ampla sobre a relação do público com o seu negócio permite um maior controle sobre suas estratégias de marketing e de vendas.

Note que, ao longo do texto, falamos bastante sobre ações de marketing digital. Destacamos as estratégias na internet porque é nesse ambiente em que grande parte das relações sociais e de consumo acontecem e vão acontecer ainda mais. Portanto, o crescimento da sua empresa dependerá, e muito, de como ela se relacionará com consumidores e clientes pelos canais digitais.

E, para fazer isso bem feito, recursos não faltarão. Existe uma variedade de estratégias, a possibilidade de monitorar suas campanhas em tempo real e um CRM que pode oferecer um mapeamento completo sobre os perfis de leads e clientes.

Se você gostou de conferir as estratégias de crescimento para sua empresa, saiba que o melhor ficou para o final: separamos uma estratégia que, a propósito, é uma das mais produtivas dentre as opções listadas. Estamos falando do e-mail marketing e, para saber mais, confira o post Como (e por que) fazer campanha de e-mail marketing no varejo.