Muitas pessoas associam o e-mail a uma estratégia de marketing em decadência. Mas, na verdade, nunca houve uma ferramenta tão poderosa, principalmente quando o objetivo é o contato direto com seu público.

Segundo a Pew Research, 92% dos usuários de internet adultos usam e-mail, sendo que 61% deles acessam esse meio de comunicação diariamente. Ou seja: trata-se de uma ótima opção para quem quer se comunicar de maneira pessoal com seus potenciais clientes.

No post de hoje, vamos ver como e por que incluir campanhas de e-mail marketing em suas estratégias de vendas no varejo. Acompanhe!

Como traçar a estratégia de e-mail marketing

Muito mais que enviar e-mails às pessoas, a chave para o sucesso dessa estratégia está em escolher as melhores práticas de envio, para não causar uma enxurrada de informações desnecessárias que lotam a caixa de entrada das suas leads. Na verdade, deve-se atrair e converter essas pessoas em consumidores apaixonados por sua marca e produtos.

Para isso, é preciso dar atenção a alguns pontos fundamentais que vão determinar se essa opção irá realmente trazer todos os benefícios possíveis para o seu negócio.

1. Para quem enviar o e-mail

Obviamente, para entrar em contato com alguém através de um e-mail, você precisa ter o contato dessa pessoa. E como conseguir esse contato?

Se a sua primeira ideia foi comprando uma lista de e-mails, esqueça! Esse é, de longe, um dos erros mais comuns associados ao e-mail marketing. Isso porque o caminho parece incrivelmente fácil. Porém, também muito ineficaz. 

Existem excelentes maneiras de conquistar o e-mail de potenciais clientes para que sua estratégia passe a ser direcionada e atinja pessoas que realmente tenham interesse no que você está oferecendo.

O marketing de conteúdo, por exemplo, é uma ótima opção para atrair potenciais clientes. Por meio de conteúdo relevante, é possível conquistar o e-mail dos interessados através de trocas: você oferece um material de qualidade, e o usuário fornece o contato para conseguir fazer o download desse material.

Outra boa opção é solicitar aos seus clientes o e-mail na hora em que eles realizam uma compra, seja em lojas físicas ou online. Dessa forma, você cria um banco de e-mails de pessoas que já se interessam por você, nutre com mensagens que tenham tudo a ver com o consumo que ela já realizou, e ela se torna um cliente fidelizado.

2. Qual o conteúdo do e-mail

Muitas pessoas acreditam que quanto mais informações, melhor.

Isso também não é verdade, principalmente em se tratando de e-mail. Além de desviar a atenção do leitor, uma mensagem poluída dificilmente se adapta às plataformas mobile (celulares e tablets, por exemplo — por onde a maioria das pessoas fazem seus acessos).

Por isso, uma ótima prática pode ser segmentar os e-mails enviados. Por exemplo: se você tem uma loja de roupas masculinas e femininas, o ideal é enviar as ofertas de roupas femininas para mulheres e masculinas para homens (sabemos que existem as exceções, como datas comemorativas tais quais o dia dos namorados ou dia das mães).

Além disso, seja objetivo, claro e pessoal. Afinal, ninguém gosta de ter a sensação de estar conversando com uma máquina ou de ser apenas mais um cliente em meio a uma multidão.

Por fim, dê uma atenção especial ao assunto do e-mail. Isso porque ele é o primeiro contato que o seu receptor terá com você.

3. Depois de enviar o e-mail

Ok, você já enviou a sua campanha. E agora? Monitore!

Outra grande vantagem do uso do e-mail marketing é que todas as ações dos usuários podem ser monitoradas: quantas pessoas receberam, quantas abriram, quantas clicaram etc.

Por isso, faça bom uso dessas informações e identifique quais e-mails surtiram melhores resultados e analise-os! Isso vai ser de suma importância para o aperfeiçoamento da sua estratégia!

E é muito simples: basta escolher um sistema de envio de e-mails, que ele mesmo fornecerá todas as informações de que você precisa.

Quer conhecer outros sistemas que podem facilitar a integração do seu negócio? Clique aqui e entre em contato com um de nossos consultores.